Produtos
Soluções
Real Time Marketing: o que é e como usar essa estratégia para avalancar seu engajamento

Real Time Marketing: o que é e como usar essa estratégia para avalancar seu engajamento

Conheça como funciona a estratégia de Real Time Marketing, como implementá-la na sua empresa e case de sucesso reais.

Em uma piscada de olhos, novas hashtags viralizam, memes param a internet e aquela música começa a ser tocada em absolutamente todos os Reels do seu Instagram. Pois é, a internet anda muito rápido e as novidades viram velharias em questão de horas.

Esse imediatismo é uma das principais características apontadas pela empresa PwC como um dos pilares dos consumidores digitais. Assim como seletividade e exigência de experiências adaptadas às suas preferências e contextos. 

Para atender a essa população de clientes online, o Real Time Marketing ganhou força e se tornou uma das estratégias de comunicação com maior capacidade de engajamento. 

O que é Real Time Marketing?

Real Time Marketing, Marketing de Oportunidade ou Marketing em Tempo Real é a inserção de marcas em conversas que estão acontecendo – sejam elas sobre eventos, tendências, feedbacks de clientes, memes ou até mesmo situações políticas e sociais. 

Essa estratégia é fortemente baseada em Social Listening, que é o acompanhamento das tendências, conversas e hashtags nas redes sociais. Desta forma, você pode ficar inteirado do que é relevante para o seu público e como a sua marca pode se inserir nessa conversa. 

Mas, especialmente em contextos B2B, Real Time Marketing pode também ser uma resposta rápida a um feedback que seu público está lhe dando depois do lançamento de um novo produto. Afinal, essa estratégia nada mais é do que um diálogo entre empresa e consumidores sobre algo que é relevante.

Os principais objetivos de uma estratégia de Real Time Marketing são: 

  • Brand awareness: ações deste tipo têm um alto potencial de viralização e, por isso, são capazes de tornar sua marca conhecida para um público maior e mais diversificado; 
  • Engajamento com o público: pela própria natureza deste tipo de ação, é comum que ela gere muita conversa entre o público e as marcas – o que auxilia no engajamento. 
  • Reforço de valores e empatia: muitas marcas utilizam essa estratégia para se posicionar em relação a questões sociais que acontecem pelo mundo. Por exemplo, o movimento #BlackLivesMatter e a luta LGBTQIA+ são comumente reforçadas por ações de Real Time Marketing. Esse tipo de reforço é importante porque, hoje, os consumidores não estão ligados apenas ao produto ou ao preço dele. Eles optam por consumir de marcas que compartilham os mesmos valores e que se posicionam como eles o fariam. 

É interessante reforçar que apesar do Marketing em Tempo Real ser uma estratégia importante, ela dificilmente poderá ser inserida no seu calendário de conteúdo. Ela é “reativa” aos eventos que estão acontecendo então exigem muita atenção, agilidade e criatividade da equipe para poder ser colocada no ar enquanto a conversa ainda está relevante. 

Por esse imediatismo e rapidez intrínsecos ao Real Time Marketing, o principal canal de comunicação utilizado para esse tipo de ação são as redes sociais – especialmente Instagram e Twitter. No entanto, é possível usar SMS, push notifications e até e-mails em alguns casos. O importante é que o canal escolhido seja lido com rapidez para garantir que o timing não estará perdido. 

Você já deve ter percebido que criar engajamento através de Marketing de Oportunidade é algo trabalhoso. E é verdade que nem todas as áreas de marketing estão prontas para colocar essas ações na rua com a agilidade necessária. Mas é interessante tentar agregar esta estratégia de alguma forma ao seu planejamento de comunicação. Para se ter uma ideia, segundo um relatório realizado com empresas do Reino Unido, engajar em ações de Real TIme Marketing aumentam as conversões em 26%

Os pilares do Real Time Marketing

1. Social Listening

Não é possível fazer Marketing de Oportunidade sem uma estratégia clara de Social Listening – que nada mais é do que acompanhar as tendências e conversas que seu público está vendo e fazendo. 

Ferramentas como Google Trends, Google Alerts, as trending topics do Twitter e as principais hashtags do Instagram são excelentes canais para identificar essas conversas enquanto elas ainda estão nascendo. Outros locais como fóruns, páginas no Facebook e comunidades relevantes para o seu público também são importantes para estruturar seu planejamento de social listening, assim como acompanhar de perto os principais influenciadores da sua indústria.

2.Timing

Existe uma curva de relevância para as tendências que deve ser analisada com bastante atenção para a sua empresa não parecer o tio do pavê da internet. 

Normalmente uma tendência começa como algo pequeno – restrito a um grupo de pessoas – e vai crescendo até virar de conhecimento público e você ter a sensação de que todo mundo só fala deste assunto. Mas depois começa uma curva decrescente em que cada vez menos pessoas estão comentando sobre ela. 

É importante que a sua empresa esteja atenta para entrar nessas conversas enquanto elas ainda são relevantes e estão gerando atenção do público. 

3. Segmentação e relevância

Entender seu público é fundamental para escolher quais são as tendências que a sua empresa deve engajar e quais ela deve deixar passar. Lembre-se: a sua marca não deve se tornar uma comentarista dos assuntos atuais, mas estar presente nas discussões que fazem sentido para ela e para o seu público. 

Por exemplo, se você fala com um público mais sênior, faz sentido se engajar naquela referência da Geração Z com dancinhas no TikTok? Ou se duas empresas do setor alimentício estão gerando o maior buzz na internet, talvez a sua empresa de roupas não tenha muito a acrescentar à discussão.

Também é importante avaliar quais são as ramificações e consequências de alguns tipos de posicionamento. Não adianta de nada entrar em discussões sobre racismo se a sua empresa não tem um único funcionário negro. A intenção é interagir com eventos atuais, não passar por oportunista. 

O posicionamento em questões sociais não deve ser apenas para gerar buzz, porque o público é ágil em perceber essas contradições e todo o trabalho que você investiu para estar nessa tendência pode ser virado contra você. 

4. Canal

As redes sociais (especialmente Instagram e Twitter) são notoriamente a casa das ações de Real Time Marketing. Isso porque elas não exigem grandes tempos de produção (como seria o caso de um vídeo ou uma campanha de Ads) e tem um grande potencial de compartilhamento e viralização. 

Mas como já comentamos, você pode sim incorporar outros canais aos seus esforços. O SMS, por exemplo, tem uma taxa de abertura de mais de 90% nos primeiros minutos de entrega. As push notifications em aplicativos também têm uma entrega muito rápida e podem ser programadas para sairem do ar depois de um determinado tempo se não lidas. 

Dependendo do assunto – se ele for algo que vai permanecer mais tempo em voga – é possível até utilizar uma campanha de e-mail com uma chamada referenciando uma tendência. 

É tudo uma questão de entender o seu público, seus canais e se a tendência é transferível de uma plataforma para a outra. 

Cases de Marketing de Oportunidade para você se inspirar

1. Coca-Cola na Copa do Mundo 2014

Difícil lembrar desta Copa do Mundo sem o fatídico 7×1. O jogo da Seleção Brasileira contra a Alemanha pela semifinal do Mundial se tornou uma comoção nacional e inspirou diversas marcas a entrarem na conversa – que estava sendo discutida por todos os públicos de norte a sul do país. 

E a Coca-Cola, patrocinadora do evento, se tornou case em entender o momento, a dureza do que aconteceu e criar uma peça publicitária de forma muito ágil e que conversou com o sentimento dos brasileiros. 

E nos comentários a empresa seguiu tentando alegrar os torcedores frustrados pelo resultado. 

2. Samsung e os carregadores da Apple

Em seu evento anual de lançamento de produtos em 2020, a Apple anunciou que não iria mais vender os iPhones com os carregadores. Agora, os consumidores precisariam comprar à parte o acessório. Sua maior concorrente, a Samsung, foi rápida em responder a esse anúncio afirmando que os carregadores vinham junto ao Galaxy. 

3. Ice Bucket Challenge

Em 2014, um desafio tomou a internet e se tornou um dos maiores cases de Real Time Marketing. O ato de virar um balde de gelo na cabeça era uma forma de chamar atenção e arrecadar dinheiro para as pesquisas sobre a Esclerose Lateral Amiotrófica (ELA). 

Em questão de dias, celebridades, CEOs, cientistas e todo mundo estava fazendo e postando a sua participação no desafio. Mais de U$ 115 milhões foram arrecadados com essa experiência. 

4. Netflix

Em Maio de 2017, a Netflix anunciava a nova temporada do seriado House of Cards que mostra os bastidores fictícios da política norte-americana. Ao mesmo tempo, a mídia brasileira reportava sobre escândalos envolvendo a compra do silêncio do ex-presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha, em gravações divulgadas pelo empresário Joesley Batista. 

Os perfis oficiais da série e do serviço de streaming foram rápidos em comentar a situação: 

Se você quer ter os canais certos para poder operacionalizar sua campanha de Real Time Marketing com agilidade e segurança, entre em contato com a Infobip. Com mais de 15 anos de mercado, somos referência em soluções CPaaS e estamos prontos para auxiliar a sua empresa a engajar mais com seus consumidores! 

Conteúdos relacionados que você pode se interessar: